domingo, abril 05, 2009

Outono

Se houve um Verão, morreu nas folhas.
Se houve uma chuva, morreu no vento.
As mãos nervosas, as palavras tolas,
Perderam-se sob o olhar atento
E a lâmina afiada das Moiras.
Neste Abril cruel, seco, sangrento,
Despedaçam-se em pó as escolhas,
O gato morre sob um céu cinzento.
Neste canal estreito, o Destino,
Não houve barco para irmos juntos.
Seguimos, passageiros clandestinos,
Sonhando outras terras, outros mundos.
Estação calculista, fútil, fria,
O Outono assassina a alegria.

Um comentário:

simone disse...

você está tanto augusto dos anjos. eu gostei muito.